Anorgasmia - Parte IV

 

 

AUSÊNCIA DE ORGASMOS

As pacientes que optam por receber a massagem tântrica para cuidar de anorgasmia, inevitavelmente, chegam para as sessões com muitas ansiedades, expectativas excessivas e muito nervosismo. Isso é perfeitamente compreensível, mas deve ser objeto de extrema atenção do terapeuta, porque esses sintomas poderão fazer com que as pacientes queiram determinar os acontecimentos da massagem e isso vai de encontro aos propósitos da terapia.

 



As conversas se mostram muito importantes, devem existir sempre, mas, sozinhas, poucos efeito terão, pois não trarão os resultado de desligá-las do mundo externo, das ansiedades, das expectativas, ou seja, na prática, não as acalmará. Não basta chegar para as pacientes e dizer para que deixem tudo do lado de fora do local da massagem. Não funciona assim. Então, cabe ao terapeuta trabalhar junto com as pacientes para que elas realmente se desliguem das externalidades, principalmente das negativas, e mergulhem nos seu interiores.

A respiração de olhos fechados, como estado de meditação é extremamente importante para todas as pacientes, mais ainda, para as que vêm tratar casos de anorgasmia. O terapeuta precisa, durante a conversa, expor para a paciente a importância de respiração. Tal como já afirmei, só início a massagem quando a paciente, fazendo os exercícios de respiração, me dá o sinal de OK apertando uma das minhas mãos. Digo a todas as pacientes que o tempo que elas precisarão para dar o OK para o início não importa, contando que faça no momento delas, sendo sinceras com elas mesmas, sem se importar com o tempo.

Com a respiração controlada e a paciente mergulhada em si, inicia-se a masssgem sensorial para que ela se concentre em cada parte do seu corpo, sentindo a suavidade da toques dos pés a cabeça, sentindo sua bioeletricidade fluir de forma tranquila, sem descargas excessivas, de forma que o ritmo respiratório não se quebre e e o estado de meditação se mantenha.

A masssgem sensorial fará com que as pacientes sintam-se de fato, de forma gradativa, tranquila e consciente, dissolvendo os bloqueios que as impedem de chegar ao orgasmo, tudo de forma natural, sem que queiram ter o controle sobre os acontecimentos.

A anorgasmia não é um problema. É uma questão que precisa de respostas consistentes.

Por Marcelo (Prem Prabhu)