PRIMEIRO ORGASMO AOS 27 ANOS: RELATO DE UMA PACIENTE

Postado em 27 de fevereiro de 2019

A anorgasmia, seja ela total ou parcial, é uma questão que afeta a maioria das mulheres. Muitas que passam por isso sabem do que estou falando. Ela não escolhe mulher pela cor, religião, profissão, padrão de beleza estético ou lá o que seja.

Nas mulheres, a anorgasmia tem origem, em mais de 95% dos casos, em questões psicológicas. E isso envolve diversos fatores causados, principalmente, pelo modelo de criação patriarcal que temos, cruel e falido que as reprimem e oprimem. Tratando da maioria dos casos, não considero a anorgasmia um problema em si. Problemas, realmente, são os desdobramentos que ela traz, que provoca sofrimentos dos mais diversos em todos, ou praticamente todos, campos da vida.

Toda paciente que vem para viver a experiência da massagem, com foco em expurgar a anorgasmia de sua vida, principalmente se jamais viveu a experiência do orgasmo, carrega consigo níveis de tensões e ansiedades elevadíssimos e, no curso da massagem, quando começa a reagir aos estímulos, com seu corpo se preparando para o orgasmo, caso não esteja em calmaria, pode sim interferir no resultado.

Muitos casos de anorgasmia, com a massagem tântrica, têm excelentes respostas quando as pacientes conseguem entrar em calmaria. Este foi o caso da paciente deste relato, que jamais tinha vivido a experiência de um orgasmo. Ela veio consciente de que precisava apenas deixar a massagem fluir. Esvaziou a mente e conseguiu as respostas que desejava, sendo a grande protagonista de tudo, porque os prazeres que ele viveu estão e sempre estiveram dentro dela, pois a ela pertencem.

Independente de ser comigo ou não, porque isso é a coisa mais importante dentre as menos importantes, indico que as mulheres busquem a massagem tântrica para expurgar de vez a anorgasmia de suas vidas.

O ORGASMO não é só uma questão de prazer sexual. Ele é uma questão de saúde física, mental e espiritual, plenitude, autoconfiança, amor-próprio, dentre outras.

 

 

 

 

 

Por Mercelo (Prem Prabhu)