EGO
Postado em 01 de abril de 2019


 

 

Ouvimos, a todo instante, que as pessoas estão egoístas, que não prestam atenção nos seus semelhantes e que estão pouco se importando com eles. Certamente, a esmagadora maioria das pessoas que leu esta afirmação, concorda com ela. De certa forma eu concordo, mas não como causa. Concordo como efeito, como resultado.

Quem gasta seu preicoso tempo de vida lendo meus textos, falará: "lá vem este cara novamente com esse lance de que tudo começa dentro de nós". Infelizmente, tenho que ser repetitivo, porque, quando falamos que as pessoas estão egoístas, não prestando atenção nos seus semelhantes e pouco se importando com eles, na verdade, isso nada mais é do que o resultado de prestarmos pouca ou nenhuma atenção em nós mesmos. Alias, aprendemos e propagamos o hábito de não prestar atenção ao nosso âmago.

A questão é que não não adquirimos condições de olhar para os nossos semelhantes com amor, porque não nos olhamos com amor. Fica difícil oferecer aos semelhantes aquilo que não se conhece e, portanto, não se sente.

Isso explica tantas pessoas reclamando uma das outras, sem que olhem para si e cheguem à conclusão que estão errando consigo e que isso apenas se propaga naturalmente às outras.

As pessoas se esquecem de se relacionar com seus interiores e só pensam nas relações com o mundo externo. Só enxergam isso pela frente. Neste ponto, a questão é que o Ego não vem de uma relação interna; de uma relação da pessoa com ela mesma. O Ego tem origem nas relações externas das pessoas. O Ego sempre está ligado às outras pessoas.

Então, quanto mais vivemos em função das vidas dos nossos semelhantes e menos das nossas, mais poluídos pelo Ego seremos. Logo, se nos habituarmos a olhar e pensar nos nossos interiores em primeiro lugar, menos o Ego nos contaminará.

 

 

 

 

Por Mercelo (Prem Prabhu)