Esqueça o certo e o errado. Decida entre o bom e o ruim, para você

 

Postado em 27 de fevereiro de 2019

 

 

 

Precisamos aprender que, tudo que diz respeito exclusivamente a nós, nossas existências, nossos âmagos, nossas energias, nossas espiritualidades, ou seja, nossas felicidades, elevações e plenitudes, não devem ser pautados pelo CERTO ou pelo ERRADO.

 

 



O CERTO e o ERRADO são polos que sempre estão excessivamente poluídos por fatores externos que, na maioria esmagadora das vezes, não representam aquilo que está dentro de cada um de nós. Quando encontram alguma identidade, geralmente, não prestam para nada.

A questão é que, tanto o CERTO, quanto o ERRADO, vêm sobrecarregados de Senso Comum e, tal como sempre afirmo, o Senso Comum é burro e ignorante, pois não é pautado pelo conhecimento adquirido a partir de experiências, estudos, vivências e observações do mundo. Ele é pautado pelo que as pessoas acham ou ouviram dizer e que, lamentavelmente, passam a fazer parte das suas verdades.

Neste contexto, a sugestão é que passemos a viver dentro daquilo que, conscientemente, entendemos ser BOM ou RUIM, quando se tratar exclusivamente de nós, sobre tudo que nos diga respeito, tal como exposto acima.

O CERTO e o ERRADO nos aprisionam entre o proibido e o permitido; entre o pecado e o não pecado. O CERTO e o ERRADO são repressores e opressores; são limitantes demais! Por isso é que sugiro que o CERTO e o ERRADO não façam para daquilo que é existencial.

Ninguém que viva entre o CERTO e o ERRADO tem pleno gozo do seu livre-arbítrio. Já quando decide viver entre o BOM e o RUIM, é possível exercê-lo plenamente.

No Tantra que eu acredito, prático e propago, só há espaço para aquilo que é BOM ou RUIM para mim e incentivo que meus semelhantes vivam de acordo com que é BOM ou RUIM para eles, sem fechar a vida em conceitos, sem proibições, em liberdade total, porque é BOM poder exercer nosso livre-arbítrio e é RUIM viver aprisionado

 

 

 

Por Marcelo (Prem Prabhu)