O orgasmo como meio

 

 

Postado em 17 de julho de 2017 (atualizado em 27 de fevereiro de 2019)

 

 

Na massagem que ofereço às minhas pacientes, o orgasmo é importantíssimo. Mas, não o trato como uma finalidade. É inegável que trabalho para que ele esteja sempre presente, mas de forma diferenciada do usual, daquele presente em uma relação sexual ou na masturbação, por exemplo, que não interessam ao propósito da massagem, muito menos às pacientes.

 

 



Existem pacientes que não têm dificuldades de chegar ao orgasmo. Nesse casos, oferecer o orgasmo usual, seria o oferecer mais do mesmo, e este não é o objetivo delas ao buscarem a massagem tântrica.

Também têm as pacientes que enfrentam dificuldades de chegar ao orgasmo, mas que já passaram pela experiência. Estes casos também seriam como oferecer mais do mesmo, em última análise.

Nos casos de anorgasmia total, o orgasmo usual, sem sombra de dúvidas, seria uma evolução e tanta. Pelo menos muitos pensariam assim. Mas, mesmo nestes casos, como terapeuta, avalio que não seria o ideal. Mesmo nos casos de anorgasmia total, trabalho para que o orgasmo das pacientes sejam diferenciados.

O orgasmo diferenciado que busco estimular nas pacientes, dentro de um processo evolutivo, destaca-se por ser prolongado e por se espalhar pelo corpo. Trata-se de um orgasmo de maior intensidade e extensão.

Algumas características dele são muito interessantes, pois suas sensações energéticas são incríveis, cabendo mencionar as contrações por todo corpo, principalmente na região abdominal, grupamentos musculares mãos, pés e na própria região genital.

Ele promove estados alterados de consciência, produção e liberação de hormônios intensas, mexe positivamente com as emoções, provoca mudanças de percepções, adentra à parte espiritual, tocando a alma da paciente. Sensações mais profundas que não são sentidas no orgasmo usual.

Quem acompanha meus textos (basta ir ao meu site), verifica que já expus exaustivamente os diversos benefícios físicos e existenciais da massagem tântrica e, portanto, sabem que não a trato como mera terapia do orgasmo.

Os objetivos da massagem constituem a sua finalidade: plenitude, elevação, ou seja, felicidade. Sim, para que tenhamos esses objetivos atingidos, precisaremos desses orgasmos diferenciados, que as pacientes produzirão a partir dos estímulos da massagem, evoluindo sessão após sessão.

Mas, existem outros elementos que estão presentes e que constituem o todo da massagem, que fazem parte do meio e não da finalidade: a meditação, por meio da prática respiratória, por exemplo, é de extrema relevância. Nem por isso, as pessoas buscam a terapia apenas para meditar. Na mesma linha de pensamento, existem pacientes não buscam a massagem apenas pelos orgasmos, querendo, de certo, algo a mais.

Por todo exposto, defendo, respeitando opiniões contrárias, que o orgasmo é um meio para se atingir os objetivos da massagem tântrica, objetivos estes, que constituem a sua finalidade. Por isso, trato o orgasmo e a massagem como meios. O sexo também é meio. O sexo não é finalidade.

Também defendo que o sexo e o orgasmo devam ser encarados como meios nas vidas dos casais, mas isso é tema para outro texto. Aliás, sexo, sexualidade e orgasmo são temas que jamais se esgotarão, não é mesmo?

 

 

Por Prem Prabhu