Orgasmo, mil vezes orgasmo!

 

Postado em 15 de maio de 2017 (ataulizado em 16 de fevereiro de 2019)

 

 

O direito ao orgasmo deveria estar nas constituições de todas as nações e em todos os livros religiosos. Governos e religiões deveriam incentivar o orgasmo, pelo simples fato de que ele só faz o bem e só traz o bem para absolutamente todos os aspectos da vida.

O orgasmo deveria estar em todos os planos e políticas de Estado voltado para a saúde pública. Aliás, é importante lembrar que a vida surge de um ato que está totalmente relacionado ao orgasmo.

 

 


Pegue qualquer aspecto da vida e você encontrará oposição; o negativo e o positivo, conflitos entre o certo e o errado, entre bom e o ruim e até equilíbrio entre opostos. No entanto, se você já sentiu um orgasmo, de certo, não encontrará quaisquer pontos negativos, ou de conflitos nessa maravilhosa experiência. Não há equilíbrio no orgasmo, pois ele é o próprio equilíbrio da vida.

Em relação ao orgasmo, apenas coisas boas virão aos seus pensamentos. Vejam que eu estou falando isoladamente do orgasmo, das sensações e emoções, e não da forma como você o obteve, muito menos com quem você o obteve. Só do orgasmo! Só da energia que ele é, e das outras tantas que ele produziu em você antes, durante e depois.

Nada substitui o orgasmo. Nada! Simplesmente, não existe energia mais intensa produzida pelo ser humano, que faz bem ao corpo, mente, espírito e alma. Não falo do orgasmo usual obtido comumente, sem profundidade. Falo de viver de forma orgástica. Dele fazer parte da nossa existência. De nos condicionarmos para tal. Falo se sermos orgasmo.

Viver uma vida orgástica não é viver uma vida pervertida, imoral, devassa e promíscua, ou qualquer coisa do gênero. Aliás, quem coloca o orgasmo neste rol não quer ser feliz e nem ver seus semelhantes felizes .

Viver uma vida orgástica é viver em total liberdade, feliz, de forma elevada em todos os sentidos, materiais e/ou imateriais. Liberdade e libertinagem são coisas totalmente distintas. Libertinagem é uma opção de uso da sua liberdade, portanto, é de sua responsabilidade.

O orgasmo é um resultado energético, porém, fundamentalmente, é um meio de se atingir os resultados maravilhosos que tanto desejamos. A responsabilidade pelos caminhos e fatores que você utilizará para chegar até ele tem a ver com o seu livre-arbítrio. Você pode se perder pelo caminho, lançando mão de fatores letais no trato da sua energia sexual. Ou você pode ir pelo melhor caminho, usando o que há de melhor ao seu alcance. Então, conclui-se que o orgasmo é livre de toda e qualquer impureza.

Impuras, podem até ser são as nossas opções para obtê-lo, mesmo assim, as impurezas são muito questionáveis, principalmente se avaliadas sob óticas religiosas.

Em outras palavras, você pode desrespeitar suas energias sexuais, se destruir e sofrer para chegar até ele e, talvez, obter aquilo que a maioria obtém, ou seja, quando muito, apenas prazer momentâneo, que logo passa, um simples gozo. De outra forma, você pode respeitar suas energias sexuais, se elevar e ser feliz para chegar até ele, fazendo disso uma constante na sua vida, obtendo de fato o resultado energético real do orgasmo.

Como se vê, os problemas não estão no orgasmo. Eles estão em nós e em nossas opções. Orgasmo é a solução! Orgasmo é cura! Orgasmo, mil vezes orgasmo!

Existem caminhos maravilhosos para obter uma vida orgástica. Eu conheço o da massagem tântrica, contextualizada com a paciência de se passar por processos de transformação em relação ao corpo, ao orgasmo, à sexualidade, à consciência e a própria existência.

Trata-se de uma massagem que, aos poucos, transforma o orgasmo de genital para corporal, trazendo novas percepções e sensações que já estavam dentro de nós, mas que não foram estimuladas e despertadas. Uma massagem que mostrará que o orgasmo vai muito além do sexo. De fato o orgasmo transcende o sexo!

O orgasmo é meio e não finalidade. O sexo também é um meio. É como se fosse um meio de atingir outro meio para que se chegue a resultados, todos contextualizados com a nossa felicidade.

Então, além de saber separar o orgasmo dos caminhos que você escolhe para chegar até ele, aqui vai mais um desafio: dissocie o orgasmo do ato sexual. Tenha o sexo como um caminho, um bom caminho, mas não o único.

A vida nos deu o orgasmo de presente, totalmente gratuito, mas, lamentavelmente, ainda não aprendemos recebê-lo como tal, porque nos apegamos à coisas pequenas. Orgasmo é prazer. O desprazer não faz parte dele.

O orgasmo é divino! Ele emana da vida! Orgasmo é vida! É cura! É fonte de juventude! É felicidade! É realização! É encorajamento! É infinito! É tudo de bom! Orgasmo, mil vezes orgasmo!

Separe o orgasmo de tudo. Pense apenas nele! Reflita sobre isso! Faça isso de forma consciente! Tente detectar onde está a impureza nele. Você não encontrará!

 

 

 

Por Marcelo (Prem Prabhu)