Viver ou não a experiência da massagem tântrica

 

Postado em 12 de fevereiro de 2018


Acontece que, um belo dia, quando nos deparamos com as informações sobre a massagem tântrica, quase sempre, instantaneamente, algo dentro de nós é despertado. Este despertar vem da energia sexual que flui em nós, a nossa principal energia. Todavia, em relação às mulheres, mesmo assim, por motivos e fatores diversos, existirá um abismo de diferença entre este despertar e viver efetivamente a experiência, algo esperado, diante das repressões e opressões que a sociedade machista impõe sobre suas sexualidades. Já os homens, decidem com muito mais facilidade, praticamente, num estalar de dedos.

 



Falando das mulheres, algumas sentem algo, às vezes importante, mas preferem passar por cima deste fato, optando por não se aprofundar no tema, deixando a vida seguir, por vezes, convivendo com questões que as incomodam muito pelo resto de suas vidas. Outras, sequer se atentam a isso, uma minoria, arrisco a dizer. Tem as que vão viver a experiência na empolgação, no fluxo, o que eu não aconselho. E tem também àquelas que ficam despertas e começam a buscar entender a massagem, seus diversos benefícios, para saber se, realmente, é uma experiência que querem viver. Nesse último rol de mulheres que buscaram se aprofundar no tema, encontraremos as que optaram por viver a experiência de forma consciente (o que é aconselhável), as que chegaram a uma decisão também consciente de não experimentar a massagem e as que querem muito, mas ficarão com seus desejos retidos, o que não é bom.

Independente de viver ou não a experiência, de seguir adiante, tenho que dizer que, de seus jeitos, todas estão certas, porque cada uma deve saber de si. As escolhas das pessoas fazem parte de seus livres-arbítrios, algo inquestionável, portanto.

Especificamente em relação às mulheres que se aprofundaram no tema, que querem viver a experiência e não vivem, retendo para si um forte desejo, tenho algo a dizer, pois, muitas vezes, as decisões internas são tomadas, mas o que vem do externo acaba influenciando, por medos, tabus e paradigmas. Por mais que as mulheres se livrem deles durante suas buscas e consigam visualizar algo que será incrível para elas, as outras pessoas, mulheres também, com seus medos, tabus e paradigmas, sem mencionar as que gostam de dar suas opiniões sem conhecimento, acabam interferindo nas decisões.

Eu desaconselho ouvir o externo quando o assunto é a massagem tântrica, porque se refere a algo extremamente íntimo. Mas, sei que, muitas vezes, isso vai acontecer, não tem jeito. Então, se acontecer, se as mulheres desejam que seja assim, meu conselho é buscar opiniões de quem ja viveu a experiência da verdadeira massagem tântrica. Opiniões, todos gostamos de dar. Mas, em bases sólidas, está cada vez mais difícil.

Então, busque fazer este filtro primeiro, porque, buscar opiniões de quem não viveu a experiência, considerando o enorme volume de besteiras que existem na internet, ambiente vem sendo a base de muitas pesquisas rasas, é algo complicado, seja para o sim, seja para o não.

Até em relação a quem afirma ter vivido a experiência, deve existir muita cautela. Será que essa pessoa recebeu a massagem tântrica verdadeira? Ou será que ela foi numa dessas várias bandalhas que existem por aí?

Um aspecto muito importante é que, mesmo se os conselhos vierem de uma pessoa que já viveu a experiência da massagem tântrica verdadeira, tendo sido maravilhosa ou não, deve ser levado em conta que aqueles foram os resultados delas e que os seus serão aqueles na exata medida da necessidade do seu interior.

Serei repetitivo neste aspecto: quem viverá a experiência é você. Ninguém passará por isso no seu lugar. O desejo é seu. As necessidades são suas. O prazer será seu.

 

 

Por Prem Prabhu