Pratique a autopociência

 

Postado em 27 de abril de 2017 (atualizado em 23 de fevereiro de 2019)

 

 

No plano existencial, que inclui o material e o espiritual, acredito que tudo começa de dentro para fora. Acredito que, se conseguirmos acessar o nosso interior, viveremos transformações muito positivas e muito significativas nas nossas vidas. Este é o motivo que me faz defender que, por meio da respiração, devemos buscar a calmaria, esvaziando a mente para que, dentro de um processo, possamos atingir a meditação.

Um dos grandes problemas que carregamos é a falta de paciência que temos conosco - falta de autopaciência. Não respeitamos o fato de que precisamos de tempo para nós mesmos, de forma que os nossos processos internos sejam concluídos, dentro nosso prório tempo, um tempo personalíssimo.

 

 


O mais irônico é que sempre aconselhamos as pessoas a esperarem. Por vezes, queremos ensiná-las a saberem esperar, afirmando que tudo tem seu tempo e que, portanto, precisam ser pacientes. Mas, quando tratamos de nós mesmos, não fazemos nada disso. É o famoso "faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço". Com todo respeito, mas aconselhar e não praticar o que se fala, não soa como verdade para ninguém. Por isso, a maioria dos conselhos entram por um ouvido e sai pelo outro.

Isso ocorre, porque não nos acessamos, não prestamos atenção em nós mesmos e não nos conhecemos. Vivemos em estágio mental e não de consciência. Um exemplo que cabe muito bem para demonstrar como vivemos em estágio mental, é o velho ditado: "Você é fruto do meio em que vive". Se estamos em estado de consciência, seremos fruto do que realmente somos e queremos ser, e não do que o externo nos apresenta e determina.

Defino a autopaciência como poder que temos de nos gerenciar emocionalmente em ralação ao nosso próprio tempo existencial. Inevitavelmente, isso requer pragmatismo, perseverança, muita atenção e controle dos nossos pensamentos, atos e palavras.

Significa que não devemos gastar nosso tempo tentando controlar os outros, mas sim a nós mesmos. Além disso, este processo de gerencimento pode levar uma vida inteira e, muitas vezes, pode ser bem sucedido em determinadas áreas e em outras não. Mas, devemos ter paciência para ir em busca da totalidade.

A questão é que, quando escolhemos este caminho, inevitavelmente, teremos boas respostas. E essas boas respostas servem para nos estimular a continuarmos a nossa caminhada.

Grande parte dos leitores deste texto afirmará para si que tudo isso é besteira, que está fora da realidade. Eu sei disso! Afinal não temos autopaciência e sempre vamos encontrar uma desculpa com base no mundo externo.

Quando ouço das pacientes que elas tiveram a sensação de esvaziamento da mente, de um relaxamento total, de não estarem ali, de que a sensação foi a de como se tivessem saído dos seus corpos eu posso afirmar que elas nunca estiveram mais presentes do que naquele momento. Na verdade, a partir do momento que elas se dedicaram ao processo respiratório e decidiram ter calmaria em busca da meditação, passaram a se permitir, trazendo para si suas próprias consciências.

O estado de consciência eu trato como normal. A mente eu trato anormal, pois ela reflete para nós os caos externos de todos os dias por nós absorvidos, não permitindo que tenhamos nossa autopaciência. Vivemos pressionados, sem espaço, imprensados, ansiosos, angustiados e infelizes.

Ter autopaciência não custa dinheiro. Ela está dentro de nós, disponível, desde que saibamos nos respeitar. Desperte sua autopaciência. Assim, você conseguirá concluir aquilo que se propôs a fazer. Você se sentirá melhor! Você se sentirá uma vencedora. Você passará a ter sabedoria, que é o que todos buscam, mas poucas conseguem.

A consciência permite que nos sintamos melhor. Permite ser quem realmente somos. Passamos a nos amar mais. Seja paciente com você mesma e entenda que tudo faz parte de um processo.

A autopaciência é uma habilidade que todos têm, mas que pouquissimas pessoas aproveitam.

Um detalhe muito importante: se você não busca sua autopaciência, fatalmente não terá paciência com mais ninguém. Você pode achar que tem; pode, por algum tempo, transparecer que tem. Mas, uma hora aquilo que está dentro de você vem à tona. Tudo começa de dentro para fora.

 

 

 

Por Marcelo (Prem Prabhu)